Buscar
  • Sandra Freitas

Aromatizantes artificiais, porque tomar cuidado?


Os aromatizantes, responsáveis por cheiros e sabores característicos a produtos alimentícios, podem ser artificiais ou naturais. Hoje vou desvendar a química dos aromatizantes artificiais, que são substâncias sintetizadas quimicamente em laboratório, muito comuns na indústria alimentar e que podem causar diversas reações adversas quando ingeridos em excesso.

Os aromatizantes artificiais, muitas vezes são bem parecidos com os naturais, como por exemplo os que imitam as frutas e tem uma combinação de aroma e sabor. A maioria deles são substâncias orgânicas do grupo dos ésteres, os mais comuns na indústria são butanoato de etila (aroma de abacaxi), formato de etila (aroma de pêssego), formato de isobutila (aroma de framboesa), acetato de pentila (aroma de pera), etanoato de octila (aroma de laranja), ectanoato de 3-metilbutila (aroma de banana); 3-metilbutanoato de 3-metilbutila (aroma de maçã), formato de etila (aroma de pêssego).

Mas, é preciso tomar muito cuidado com o consumo de alimentos industrializados que os possuem em sua composição, pois um único aromatizante artificial pode ser uma combinação de vários produtos químicos, muitos dos quais são derivados de petróleo, podendo causar problemas como coceiras, alergias e tonturas em alguns indivíduos. Alguns aromas artificiais podem também afetar o RNA, tireoide e os níveis da enzima no sangue.

Portanto, fique de olho nos rótulos dos alimentos e não abuse dos alimentos que contenham aromatizantes artificiais.


A saúde é o nosso dom mais precioso e devemos ser responsáveis pelas escolhas que fazemos!

13 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo